Olhe menos, veja mais!

Você vê o que olha?

Calma, não fiquei maluca, o que quero saber é se você reflete sobre as coisas e pessoas que olha ou simplesmente “vê” de uma maneira superficial. Compliquei mais né? Então vou tentar ser mais clara.

Quando passamos por um morador de rua olhamos para ele e logo desviamos o olhar, sem ao menos nos preocuparmos em pensarmos porque aquela pessoa está naquela situação, ou seja, se houve alguma desilusão, drogas, vadiagem ou outros fatores diversos. Normalmente nossa atitude é de um rápido julgamento: vitimizamos a ou a culpamos a pessoa (geralmente não há meio termo).

Ver é algo bem complicado. Muitos casais que pareciam ser perfeitos terminam e pegam a todos de surpresa com a notícia. Geralmente a mulher reclama que o esposo não a olhava mais, nem ‘reparava’ quando cortava o cabelo ou fazia uma maquiagem diferente ou ainda perdia alguns quilinhos (fator mais agravante). Na verdade, com certeza, o marido a olhava, afinal não tem como você viver com alguém sem olhar…concorda? O que acontecia é que ele não a via mais e, para ver, é preciso atenção, valorização pessoal, dar importância a pessoa que está ao seu lado.

Lembro-me de uma música infantil que diz: “cuidado, olhinho o que vê!” E a linda frase do livro “O pequeno príncipe” que nos alerta: “eis o meu segredo. É muito simples: só se vê bem com o coração. O essencial é invisível aos olhos.”

É bem assim, temos que ter cuidado com o que vemos. Com certeza é mais fácil “olhar” pois, para isso não exige compromisso.

Temos que refletir sobre o que estamos vendo e sobre o que estamos olhando. Dentro de sua casa, você “vê ou olha”?

Já li alguns depoimentos de familiares de suicidas que não acreditavam no ocorrido, explicavam que o “suicida” em questão nunca demonstrou nada. Agora o “viam” em um “caixão” e não acreditavam.

OLHE MENOS, VEJA MAIS2

Tal fato me faz refletir se esta vida corrida em que estamos vivendo não está nos tirando a capacidade de “ver” o outro, onde o “ter” tornou-se mais importante que o “ser”. Será que estamos “olhando” pessoas e “vendo” coisas, quando na verdade deveria o primeiro ser o principal?

Nem sempre as pessoas irão nos mostrar o que sentem ou desejam, por isso precisamos estar com os olhos treinados para que possamos ver além do que é dito ou demonstrado. O meu objetivo aqui não é apontar o dedo ou julgar, o que quero na verdade é convidá-lo a refletir se não estamos superficiais demais.

Quando estamos bem, “olhamos” tantas pessoas ao nosso redor, porém, quando algo realmente terrível nos acomete é que realmente enxergamos quem permanece ao nosso redor, e é nos momentos de tempestade que vemos que tantas coisas que pareciam indispensáveis eram na verdade algo com pouco valor e, o que realmente vale mais que tudo, são as pessoas.

Eu espero que esta reflexão tenha sido útil para auxiliar você a ver mais e olhar menos…

Se gostou, então me ajude a auxiliar as pessoas a verem mais, compartilhe!

Artigo da colaboradora do Blog Congresso Juvenil: Manhaná

- Advertisement -

Deixe uma resposta